Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Novo Benfica

Novo Benfica

04
Nov10

A IMPORTÂNCIA DA EXPERIÊNCIA

José Esteves de Aguiar

 

Tal como escrevi na passada semana, parece-me que falta, a vários dos jogadores do nosso Benfica actual, algum traquejo internacional.

 

É, seguramente, o preço a pagar pela juventude de grande parte do plantel, embora haja excepções à regra, como é evidentemente o caso de Fábio Coentrão.

 

Acontece que Fábio Coentrão é um jogador muito acima da média, conseguindo com a sua garra, técnica apurada e força inesgotável, superar os constrangimentos que frequentemente surgem a jogadores mais novos, quando confrontados com outros muito mais experientes. Este era o caso também de, por exemplo, Di Maria e Ramires.

 

A falta de experiência torna-se mais notória nos confrontos internacionais e, principalmente, numa Liga dos Campeões. Paradigmático foi o jogo da passada terça-feira, contra o Lyon.

 

Sob a batuta do experiente Carlos Martins, o Benfica pegou muito bem no jogo, dominando-o durante 75 minutos em que, por vezes, a exibição colectiva chegou a roçar o brilhantismo. Há quem diga que terá sido um dos melhores jogos do Carlos Martins desde que está no Benfica e até poderá ser verdade, mas certo é que a importância da sua presença em campo tem sido uma constante na presente época.

 

Neste jogo, em particular, são de referir dois “pequenos-grandes” pormenores: fez as assistências para os quatro golos do Benfica e, com a sua saída do campo, começou o descalabro defensivo da nossa equipa.

 

Carlos Martins até nem é um jogador que defenda muito, mas não há dúvida de que enquanto ele esteve em campo, ajudou a tapar muitos dos caminhos para a nossa baliza.

 

A experiência permite aos bons jogadores “adivinharem” onde a bola vai cair, ganhando assim muitos lances por antecipação e jogarem sempre de cabeça levantada, de forma a fazerem passes precisos para colegas de equipa que se desmarquem bem. Foi exactamente o que se passou com os dois passes para os golos do Fábio Coentrão.

 

Com a saída de campo do Carlos Martins, parece-me que o Jorge Jesus deveria tê-lo substituído pelo Airton, o que permitiria uma consistência muito maior ao meio-campo do que com Felipe Menezes. Este último, bem como Jara e mesmo Weldon mostraram-se completamente perdidos dentro do campo, parecendo não terem noção das funções que deveriam desempenhar.

 

Aliás, a falta de experiência fez-se notar inclusive no David Luiz, com alguns cortes disparatados para onde estava virado e tentativas de transportar a bola “à  Beckenbauer” que resultaram em perdas complicadas.

 

Para o jogo no Dragão, espero que os nossos jogadores consigam deixar-se de vedetismos e joguem com grande garra e concentração, para podermos vencer a partida.

 

Desde logo temos uma contrariedade que é o facto de ser arbitrada por um dos juízes que já por diversas vezes tem prejudicado o Benfica.

 

Recordemos, por exemplo, que em 21 de Agosto passado, na Madeira, Proença esteve na derrota da nossa equipa diante do Nacional (1-2), com amplas razões de queixa para o nosso lado.

 

O último clássico entre Porto e Benfica que dirigiu também foi no Estádio do Dragão, remontando a Fevereiro de 2009, partida que terminou igualada a uma bola, então com grande polémica devido ao penalty assinalado sobre Lisandro Lopez, que valeu o golo do empate aos portistas. 

 

Lembrem-se também outras “infelizes” actuações de Pedro Proença, em prejuízo do Benfica: http://www.youtube.com/watch?v=mP1FCaGbGF0

 

De qualquer forma, contra tudo e contra todos, FORÇA BENFICA!!!

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D