Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Novo Benfica

Novo Benfica

12
Mai10

TRÊS HISTÓRIAS DE ATITUDE (OU DE FALTA DELA…)

José Esteves de Aguiar

 

Sobre a brilhante conquista do título de CAMPEÃO NACIONAL pelo nosso Glorioso BENFICA, muito bem escreveram os meus antecessores neste blog, pelo que me limito a salientar a enorme felicidade que tive por estar com os meus filhos naquele maravilhoso Estádio, cheio de Famílias inteiras, unidas de corpo e alma com a nossa equipa e o seu objectivo comum (o título nacional) e individual (a Bola de Prata para Cardozo).

 

De lamentar, apenas, o facto de um pequeno grupo de adeptos (?) ter insistido em tentar estragar a festa, atirando sucessivos foguetes para o campo e mesmo para o meio de outros adeptos do Benfica…!

 

Passando às tais três histórias de falta de atitude, começo por salientar o “discurso de derrotado” de Domingos Paciência, revelando uma vergonhosa ausência de “fair play”, ele que até era considerado um gentleman quando jogava dentro das quatro linhas. A sua falta de aceitação das evidências, relativamente à vitória do Benfica – um clube que marcou mais 30 golos do que o Braga e deu espectáculo em quase todos os jogos - faz lembrar uma outra situação caricata – quando, há uns anos, o Porto perdeu a final da Taça das Taças para a Juventus e o Pinto da Costa, por considerar injusto o resultado, mandou fazer uma réplica (imitação perfeita) da taça perdida e ainda hoje a tem na sala de troféus do Porto…

Imagino que o presidente do Braga, fiel discípulo do Pinto da Costa, já deve ter pedido o nome do fabricante das réplicas de taças, para encomendar o seu exemplar de campeão nacional 2009/2010!

 

Quanto à segunda das três histórias, não posso deixar de salientar as diferenças dos discursos do Presidente da Câmara de Lisboa e do Presidente do Benfica. O primeiro tentou capitalizar para si o título de campeão do Benfica, referindo-o como um título para Lisboa, revelando falta de atitude desportiva, de bom-senso político e de noção da realidade do que é o nosso Benfica.

 

O Presidente do nosso clube fez questão de repor as coisas no seu devido lugar, afirmando que “este título não é de Lisboa, é de Portugal”. E disse mais: “o Benfica nasceu em Lisboa, tem honra na sua cidade, mas não se deixa fechar nela. Não dividimos o País, somos do Norte e do Sul, de qualquer lugar onde haja Benfiquistas!”. Com efeito, reduzir o título a Lisboa, seria menosprezar de forma inaceitável os milhões de adeptos – e dezenas de milhares de sócios – que em tanto contribuíram para o êxito do Benfica, em todas as cidades, vilas e aldeias de Portugal, mas também em tantos outros locais do Mundo, demonstrando – se é que tal ainda era preciso – que somos mesmo um clube à escala mundial.

 

Por último, não posso deixar em claro a falta de atitude de Carlos Queiroz. É claro que é altamente questionável que, do campeão nacional, o seleccionador apenas convoque um jogador. Que seja tão mentecapto que não reconheça a importância da experiência de Quim, o guarda-redes menos batido – a par de Eduardo – da Liga Portuguesa, que não perceba a importância de contar com a polivalência e o empenho de um Rúben Amorim, a raça e capacidade de remate de um Carlos Martins provavelmente na sua melhor forma de sempre, ou a experiência e importância no balneário de um Nuno Gomes.

 

Sem Carlos Martins – ou João Moutinho – quem fará as vezes de Deco, caso este se lesione, seja castigado ou, simplesmente, não esteja a render o necessário?

 

Quando questiono a falta de atitude de Carlos Queiroz não me refiro apenas às escolhas, tão discutíveis, de alguns nomes em detrimento de outros.

 

Refiro-me, principalmente, à falta de atitude ambiciosa de um homem que vai comandar uma selecção num campeonato do Mundo.

 

Para quê convocar dez defesas e três médios defensivos e apenas dois ponta-de-lança? Que mensagem, senão de medo e de “perder por poucos” transmite (inclusive aos jogadores), um seleccionador como este?

 

Não podemos esquecer-nos de que, mais do que o seleccionador do apuramento para o Mundial, Carlos Queiroz foi o seleccionador que quase deitava a perder tal apuramento, porque começou as contas a considerar logo que empates fora eram bons resultados…

 

Poderá ser um bom adjunto para Ferguson, mas é um péssimo seleccionador, um homem sem coragem para colocar a nossa Selecção a jogar futebol de ataque, como filosofia de jogo e não como último recurso e já com “as calças na mão”.

 

Oxalá me engane e, se tal acontecer, serei o primeiro a vir aqui mesmo dar a mão à palmatória, mas infelizmente antevejo uma ida e volta muito rápida da nossa Selecção. Mas talvez Carlos Queiroz tenha a sorte de Portugal fazer no Mundial o mesmo que a Grécia fez no Euro 2004 – defender com unhas e dentes, destruir o jogo dos adversários e lançar contra-ataques venenosos.

 

Até pode ganhar, mas a falta de atitude ganhadora expressa na convocatória contrasta de forma gritante com as expectativas quase histéricas de Madaíl.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D