Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Novo Benfica

Novo Benfica

28
Abr10

UMA ÉPOCA COM UM SABOR ESPECIAL

José Esteves de Aguiar

 

Eu sou daqueles que não deitam foguetes antes de tempo, preferindo aguardar serenamente e sem provocações aos nossos adversários, que a nossa anunciada vitória no campeonato se concretize.

 

Apesar de ser o Benfica, inequivocamente, a equipa que em Portugal melhor futebol tem praticado durante a presente época – facto reconhecido, aliás, por muitos dos treinadores de equipas adversárias – certo é que muita gente tentou minimizar os nossos êxitos, sob os mais variados pretextos.

 

O mais elementar bom-senso recomendaria que não se procurasse encontrar em túneis, arbitragens ou castigos a jogadores a justificação para tamanha superioridade, traduzida afinal no melhor ataque, na melhor defesa e na prática de um futebol que encanta quem o vê sem o desfoque do anti-benfiquismo primário.

 

Esta época tem um sabor especial pelo imenso prazer que as espectaculares exibições de futebol entusiasmante proporcionaram a todos os Benfiquistas. Mesmo que o Benfica não fosse campeão, já ninguém nos conseguiria retirar os momentos de deleite futebolístico que tivemos o privilégio de viver ao longo desta época.

 

Os momentos de intensa vibração com as maravilhosas jogadas de entendimento dos nossos jogadores, a emoção de cada golo por eles marcado, ficam de forma indelével na nossa memória colectiva, funcionando ao mesmo tempo como um lenitivo para “feridas” de épocas anteriores e para superar as sucessivas provocações dos adeptos do segundo maior clube português – o anti-Benfica.

 

Devemos, todavia, saber esperar pelo momento oportuno para celebrar, porque continuamos a bater-nos contra tudo e contra todos. Não basta ter a meta à vista, é imprescindível cortá-la em primeiro lugar, para alcançar o prémio supremo.

 

Como disse – e bem – Jorge Jesus no final do jogo contra o Olhanense, vencer o campeonato dentro do campo tem outro sabor.

 

A festa do título vai ser enorme e, em cada canto do Mundo onde exista um Benfiquista, certamente haverá celebração, demonstrando-se assim, uma vez mais, o carácter planetário do nosso Glorioso.

 

Em Portugal vamos ter ruas, avenidas e praças cheias de multidões a festejarem uma vitória que, além do mais, servirá para dar um novo alento a um povo desanimado pelas agruras da vida e pelo momento particularmente difícil que atravessamos.

 

Pinto da Costa não vai poder cumprir a promessa patética que fez a José Maria Pedroto. Aproveitemos nós para homenagear tantos e tantos ilustres Benfiquistas que, ao longo de décadas, têm colocado o nome do nosso clube num patamar GLORIOSO!

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D