Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Novo Benfica

Novo Benfica

22
Mar10

O ROSTO DA VITÓRIA

Pedro Fonseca

 

Neste momento de euforia legítima, natural e humana, lembrei-me, vá lá saber-se porquê?, de recentes palavras de Carlos Carvalhal. O treinador do Sporting disse, e cito de cor: “A derrota tem um rosto, mas a vitória tem muitos rostos”.
É uma frase certeira. Lembrei-me disto ao reflectir sobre esta época excepcional do Benfica (eu sei que ainda só ganhamos a Taça da Liga), e que ontem deu mais um exemplo avassalador de força.
Qual é o rosto da(s) vitória(s)? Jorge Jesus, sem dúvida, que trouxe trabalho, responsabilidade, competência, liderança. Rui Costa, sem dúvida, também, que carrega a mística, blindou o balneário, transpira classe e garra, garante a experiência e a mundividência. Nuno Gomes, sem dúvida, que aceita humilde um papel secundário no relvado, mas que é fora dele e no balneário a alma, o cimento que une as várias sensibilidades, o líder que todos respeitam.
Luisão, claro que sim, um capitão sempre presente e à altura do seu posto. Todos os jogadores do plantel, sem excepção, e mais Pietra (a velha glória) e Raul José, Miguel Quaresma, e todo o staff técnico (perdoem-me esquecer os nomes de alguns) – claro, claro que são rostos das vitórias. E os adeptos, os sócios, os milhões de benfiquistas, rostos também desta(s) vitória(s).
Deixem-me, porém, sublinhar um rosto acima de todos os outros. Acima, não só porque é o Presidente do Benfica, mas porque teve e tem totais responsabilidades na escolha de todos os outros rostos.
Rui Costa – foi Luís Filipe Vieira quem o escolheu para o cargo de director desportivo, que manifestamente lhe serve como uma luva e cujo desempenho tem sido decisivo para esta empolgante época do Benfica;
Jorge Jesus – foi Luís Filipe Vieira quem o escolheu para treinador do Benfica e o resgatou a outras paragens, com os resultados que se conhecem;
Nuno Gomes – foi Luís Filipe Vieira quem o “obrigou” a ficar e o Nuno é hoje uma peça essencial do balneário;
Luisão – o nosso central-capitão sabe bem da importância de Vieira na sua carreira;
Sócios e adeptos – poucos têm dúvidas de que Vieira é o “Presidente do Povo”.
Se quem manda, quem lidera, ou quem preside, tem de aguentar e dar a cara, quando os tempos são difíceis, também é justo que se realce a dedicação, o trabalho, a certeza das escolhas, a preserverança no caminho trilhado, a coragem de enfrentar todos os riscos e todas as adversidades, quando o tempo é de bonança e o futuro risonho. Luís Filipe Vieira merece, assim, ser o rosto principal deste novo tempo de vitórias e empolgamento, deste novo Benfica, porque foi ele quem escolheu os outros rostos.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D