Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Novo Benfica

Novo Benfica

28
Set09

ALIANÇAS E COLIGAÇÕES

Pedro Fonseca

Após as eleições legislativas de ontem, está na moda falar-se de alianças, coligações, negociações e quejandos. No futebol português este é um léxico que dura há muito tempo. Aconselho José Sócrates e pedir uns conselhos a Pinto da Costa. O presidente do FC Porto sabe como ninguém dividir para reinar, fazer alianças espúrias e coligações anti-natura, tudo para manter inviolável o seu reduto.

 

Durante anos a fio, Pinto da Costa soube insinuar-se junto de um clube com sede em Lisboa para enfraquecer o outro. Foi assim, no Benfica, com Fernando Martins e Manuel Damásio. Foi assim, no Sporting, com Sousa Cintra e Soares Franco. É assim com José Eduardo Bettencourt.
Pinto da Costa sabe bem que no Benfica, há muitos anos, mudou a agulha. Luís Filipe Vieira é um líder forte, carismático e invulnerável a pressões ou acordos que ponham em causa a liderança, a independência e grandeza do Benfica.
Virou-se então o FC Porto para o Sporting, que tem escolhido sistematicamente líderes fracos, submissos, cordatos e acomodados. Soares Franco e José Eduardo Bettencourt são dois exemplos flagrantes desta idiossincrasia.
Como diz o povo com razão: “Pinto da Costa come-os de cebolada”. As imagens de Bettencourt ao lado do presidente do FC Porto são todo um compêndio de como não liderar um clube que se auto-intitula grande. Soares Franco cometeu o mesmo erro e, depois, veio falar de falta de militância.
No relvado os jogadores (e o treinador Paulo Bento) sentiram na pele essa falta de liderança do Sporting. Uma arbitragem tendenciosa (e uma nomeação provocatória) são o resultado dessa submissão do leão ao dragão. Paulo Bento percebe isso bem e, por isso, assume discursos que não devem ser os seus. O treinador do Sporting é literalmente atirado aos “leões”.
Mas o FC Porto tem sofisticado esta estratégia de alianças. Com o Sporting domesticado, é necessário travar de qualquer maneira um Benfica pujante, forte e dominador, dentro e fora das quatro linhas.
Ligações umbilicais a Sporting de Braga e a Olhanense fazem parte desta estratégia. Por isso, é vulgar (e vai continuar a ser vulgar) ouvir Domingos Paciência nem um ai dizer sobre o penálti não marcado contra o FC Porto e quase pedir desculpa por ganhar o jogo. Preparem-se, porque o mesmo vai fazer Jorge Costa.
Em sentido contrário, qualquer falta mal assinalada a meio-campo a favor do Benfica vai ser motivo para grandes alaridos e reacções patéticas. Não é assim, José Mota? Não é assim, Manuel Fernandes? Não é assim, Nelo Vingada.
Vamos ter de viver com esta hipocrisia no futebol português e fazer ouvidos de mercador. Para mudar estas mentalidades, este sistema, este estado de coisas, só há um caminho: Benfica Campeão.

Post-Scriptum 1: Não quero deixar os meus leitores impedidos de saberem a minha opinião sobre o jogo com o Leixões. Solicito, assim, que visitem "O Inferno da Luz".

 

Post-Scritum 2: Saúdo o regresso do Bruno Carvalho a este blogue. É sem dúvida uma mais-valia que não podemos dispensar. Por motivos que me dispenso enunciar, só agora pude ler o seu "post", por isso, a resposta à sua pergunta, que muito me envaidece, segue dentro de momentos.

18 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D