Terça-feira, 17 de Agosto de 2010

Miguel Álvares Ribeiro em 17/08/10 | comentar | 22 comentários

O Benfica 2010/2011 não arrancou como todos gostaríamos.

 

Depois de uma pré-temporada com exibições agradáveis e capacidade de dar a volta a resultados desfavoráveis, o Benfica apareceu apático e desinspirado no jogo de apresentação aos sócios e nos primeiros jogos oficiais. É um facto que o Benfica mereceu amplamente a vitória no jogo com a Académica, mas não foi a equipa dominadora e convincente da época passada. Como já sabemos que não podemos contar com arbitragens decentes (já nem digo um com o mesmo “faro” para os penalties que o Porto teve na Figueira), a única possibilidade é mesmo manter a atitude de ataque avassalador e continuado com que massacrámos os adversários, não lhes dando quaisquer hipóteses.

 

A substituição de Di Maria e Ramires não será fácil, pois eram dois jogadores de excepção, mas continuamos a ter a melhor equipa da SuperLiga e um treinador que já mostrou estar à altura dos desafios colocados por uma equipa com a ambição e os pergaminhos do Benfica, pelo que estou confiante em mais uma época de grandes sucessos.

 

 

P.S. – Admira-me a postura do nosso presidente na polémica criada em torno do seleccionador nacional. Apesar de ter sido um defensor da solução encontrada, a mais natural e consensual para substituir Scolari (que saudades das qualificações tranquilas e de “só” sermos vice-campeões europeus), penso que Queirós demonstrou rapidamente que não estava no seu “habitat natural”. O beija-mão a Pinto da Costa foi a primeira das manifestações de subjugação aos poderes instituídos que prenunciava um infeliz regresso ao passado, mas para lá disso Queirós revelou total incapacidade de motivação do grupo de jogadores que escolheu, além de uma gritante ausência de capacidade de liderança para os desafios que a Selecção apresenta. Os episódios que aconteceram na África do Sul, relatados na comunicação social, mostram uma faceta de Queirós desconhecida (pelo menos para a maioria) e que claramente não o recomendam para este tipo de funções. Intriga-me ainda mais a posição de Luís Filipe Vieira pois Queirós deixou de fora vários jogadores do Benfica em grande momento de forma sem qualquer justificação plausível.




Quarta-feira, 11 de Agosto de 2010

José Esteves de Aguiar em 11/08/10 | comentar | 19 comentários

 

Antes de mais, queria pedir desculpa aos visitantes deste blog pela minha prolongada ausência do mesmo, ausência esta motivada por questões profissionais inadiáveis. Não tenho a presunção de pensar que eu tenha feito qualquer falta mas, pelo contrário, eu é que tenho sentido a falta destes escritos e da troca de comentários com que os leitores me têm honrado.

 

Passando ao tema deste post, começo por reconhecer que já bastante tem sido escrito sobre o jogo de arranque oficial da época 2010/2011, embora a Supertaça Cândido de Oliveira se reporte sempre à época anterior.

 

No cômputo geral, parece-me dificilmente rebatível que perdemos justamente. Mesmo depois daquele início desastroso, considero que, a partir dos 25 minutos de jogo, conseguimos passar a ter a iniciativa, tendo mesmo desenvolvido alguns ataques bem gizados, que só não levaram mais perigo à baliza do Porto porque Cardozo e Saviola se encontravam nitidamente em noite não.

 

Confesso que não percebo qual a razão para que Jorge Jesus tenha resolvido alterar, precisamente num jogo a doer, a estrutura que tão boa conta tinha vindo a dar na maior parte dos jogos da pré-época. Para mim era claro que já começava a ver-se a existência de rotinas no desenvolvimento do ataque do Benfica, assente essencialmente na acertada colocação de alguns jogadores.

 

Era o caso do Fábio Coentrão a defesa esquerdo – com o César Peixoto ou o Gaitan mais avançados na ala esquerda, do Jara (parece-me grande contratação) na ala direita mas fazendo rapidíssimas desmarcações e trocas de bola e com o Saviola muito móvel, fugindo à marcação dos adversários, embora ainda acusando falta de ritmo, o que se traduzia em frequentes dificuldades de dominar a bola nas condições a que já nos habituou.

 

E depois, claro, o Cardozo goleador, bem municiado por aqueles jogadores rápidos e altamente tecnicistas e ainda um Carlos Martins em boa forma, quer na execução de passes a “rasgar”, quer a experimentar os seus potentes remates de longe.

 

Sobre o Roberto, não querendo contribuir para a campanha de crucificação do rapaz, não posso deixar de lamentar a teimosia de Jorge Jesus em continuar a insistir na titularidade do guarda-redes espanhol, quando é clara a insegurança dele, bem patente aliás na cara de pânico que exibe.

 

Se Jorge Jesus acredita assim tanto no Roberto, deve protegê-lo durante este momento mau que atravessa, em vez de o lançar às feras como tem feito regularmente e, a meu ver insensatamente, o fez contra o Porto.

 

Se a intenção é que seja uma aposta de futuro, então que não o ponha a jogar no Benfica do presente, sob pena de lhe matar prematuramente a carreira. Aliás, penso que a margem de manobra de Jorge Jesus na utilização do Roberto deve estar a ficar cada vez mais curta, correndo o risco de, num destes dias, ser Luís Filipe Vieira ou Rui Costa a impor-lhe que o retire da equipa.

 

É sabido que, para que uma equipa se “solte” para a frente, é fundamental ter confiança em quem fica “lá atrás”. Quando os restantes jogadores não confiam no guarda-redes – o que me parece estar a ficar patente no Benfica – partem de forma mais retraída e mesmo hesitante para o ataque.

 

Um outro ponto em que me parece que Jorge Jesus “pecou” no jogo da Supertaça foi em escalar um meio-campo demasiado macio, para fazer frente a uma equipa reconhecidamente combativa como é o Porto e, ainda por cima, “picada” para uma vingança criada por espíritos imaginativos e férteis, que vislumbraram terem sido altamente prejudicados ao longo da época passada.

 

Para permitir a subida dos defesas laterais, parece-me óbvio que o meio campo defensivo do Benfica deveria ser reforçado e de combate, com Javi Garcia ao lado de Airton, tendo Carlos Martins ou Aimar mais adiantados, como municiadores de Jara, Cardozo e Saviola. Tenho, para mim e desde o descalabro do jogo de Liverpool da época passada, que há jogos em que há que assumir um meio campo mais defensivo, que permita aos homens da frente atacar sem receio de desguarnecer as costas.

 

Apesar dos reparos acima feitos, considero que o Benfica tem uma equipa suficientemente forte para consumo interno e mesmo para provocar umas agradáveis surpresas na Champions, mas Jorge Jesus deverá voltar ao registo que o caracterizou ao longo da temporada anterior – com grande humildade e sempre a deitar água na fervura de excessivos optimismos - ao contrário daquilo que aparenta neste início de época, mostrando mesmo alguma sobranceria.

 

No ano passado, também o primeiro jogo oficial se saldou por um resultado negativo – o empate caseiro com o Marítimo – mas a partir daí a equipa embalou para uma época que nos encheu de alegrias, espalhando um futebol espectacular e altamente eficaz por praticamente todos os campos por onde passou.

 

Acredito firmemente que o mesmo vai suceder nesta temporada e que o adágio popular mais uma vez vai ser cumprido – o primeiro milho é dos pardais!




Domingo, 8 de Agosto de 2010

Depois de ganhar vários torneios na preparação desta nova época futebolística que ontem se iniciou, depois de ter feito golos e grandes exibições eis que surge o primeiro jogo a sério e o SLB baqueia em toda a linha.

Sem chama, sem conseguir controlar o jogo desde o ínicio o BENFICA fez uma exibição demasiado má para ser verdade. Notou-se uma certa intranquilidade defensiva talvez fruto de ter sofrido um golo logo aos 03 minutos onde mais uma vez ROBERTO não pode ser isento de culpas. Mas, enfim, oito milhões e meio de euros é muito euro sendo certo que a referida quantia pode ser dobrada várias vezes, quando um jogador nuclear de uma equipa como é um guarda-redes não consegue ganhar pontos e pelo contrário a prejudica com exibições a roçar o rídiculo.

Penso que neste jogo com o fcp foi muito notada a perda de RAMIRES que fruto de um negócio quase inevitável rumou ao Chelsea, sendo certo que esta ausência foi muito mais relevante do que a de DI MARIA.

Assisti aos dois jogos do torneio de Paris onde o fcp participou e constatei que tem um posicionamento em campo diferente do ano passado. Tal resulta um jogo mais acutilante e mandão, quanto a mim melhor,  e que ontem perante a ausência do GLORIOSO em AVEIRO surtiu os seus efeitos.

Obviamente que não esmoreço perante esta derrota - foi apenas e só um jogo - mas depois de uma certa competitividade  em jogos  com algum grau de dificuldade foi surpreedente, pela negativa, o jogo de Aveiro.

Não nos esqueçamos das palavras de LFV quando disse que este conjunto de jogadores é o mais caro da história do BENFICA e que este ano tinha grandes aspirações na LIGA DOS CAMPEÕES... .

Meditemos pois!




bloggers
António de Souza-Cardoso (perfil)
Bruno Carvalho (perfil)
Eduardo Sá (perfil)
José Esteves de Aguiar (perfil)
Miguel Álvares Ribeiro (perfil)
Paulo Ferreira (perfil)
Pedro Fonseca (perfil)
Raul Lopes (perfil)
visitantes em linha
posts recentes

Temos Benfica!

Venha o Porto!

As grandes noites europei...

Estamos outra vez de Volt...

Não podemos ficar a "boia...

mais comentados
429 comentários
295 comentários
280 comentários
253 comentários
últ. comentários
Quem é o melhor guarda-redes do Benfica depois de ...
Quem é o melhor guarda-redes do Benfica depois de ...
Quem é o melhor guarda-redes do Benfica depois de ...
MiguelAgradeço a participação, sempre oportuna e c...
Meu Amigo Está engana. fomos nós, sem apoio ou ace...
arquivos

Setembro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds