Terça-feira, 27 de Setembro de 2011

António de Souza-Cardoso em 27/09/11 | comentar | 5 comentários

Estive no Dragão na passada sexta-feira. O Benfica esteve bem. Aguentou um Porto que não mostrou qualquer superioridade individual e colectiva. Emerson "calou" Hulk e julgo até que o Benfica se tivesse forçado o jogo depois do empate, sairia do Dragão com uma vitória.

 

Tinha dito aqui que num campeonato que se acredita seja apenas disputado a dois, os jogos entre eles podem ser decisivos.

E, apesar de ainda haver muito campeonato, o empate do Benfica no Dragão promete muito.

Até porque acrescenta confiança na nossa equipa e, ao contrário, hesitação e intranquilidade no F.C. Porto que fez uma vez mais, este ano, a aposta arriscada num treinador que ainda só foi adjunto.

E como os "Andrés Villas Boas" só saem de vez em quando, o mais certo é esta intranquilidade acabar com a mudança do treinador e uma revolução na equipa no mercado de inverno.

É um filme que já vimos, até no nosso Benfica, e que não augura nada de bom.

 

Hoje passamos para a liderança (com o surpreendente Basileia) do nosso grupo na Champions. Ganhamos bem a uma equipa romena bem organizada tacticamente mas sem o fulgor e a atitude que é necessário ter em provas deste gabarito.

 

O Benfica, sem deslumbrar, mostrou-se uma vez mais uma equipa mais estruturada e equilibrada que na época anterior. O empate em casa do Manchester United, apesar de mostrar um terceiro candidato - o Basileia, permite ao Benfica, por outro lado, sonhar com o 1º lugar do grupo o que, como sabemos, pode fazer a diferença toda.

 

Acredito (agora sim) que temos a equipa certa para vencer em Portugal e quem sabe na Europa.




Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

António de Souza-Cardoso em 21/09/11 | comentar | 8 comentários

Acho que o jogo de depois de amanhã no Dragão vem na melhor altura para o Benfica.

A possibilidade de termos vencido ao gigante Manchester United e a circunstancia de estarmos em igualdade pontual com o Porto depois do nosso rival ter perdido dois pontos em Santa Maria da Feira, dão ao Benfica a confiança e a superioridade psicológica que necessitamos.

 

A equipa começa a ganhar rotinas e a par da intermitência de opções pelo modelo de jogo, a verdade é que as novas contratações foram mais valias indiscutiveis que ajudaram a equilibrar a equipa e dar-lhe um lastro diferentes.

 

O Benfica faz lembrar na fluidez do seu futebol e na atitude que foi retomada em jogo, o Benfica de há dois anos que foi um justissimo campeão.

O ano passadp vi no dragão o inferno e o céu para o Benfica.

 

Para sexta-feira só espero um Benfica a "comer a relva" e a perceber que jogará taco a taco com o Porto (não me parece que haja mais nenhum candidato). E desta forma perceba que estes são pontos a dobrar e podem ser decisivos quando existem duas equipas, competitivas e a lutar por um único lugar.

 

O facto de James não jogar, para além de decorrer de um pena que só peca por ser escassa, não alterará significativamente o estilo e atitude do Porto - ainda para mais a jogar no Dragão.

 

Esperemos para ver, mas tenho a sensação que vamos ter uma alegria,

 

 

António de Souza-Cardoso 




Quinta-feira, 15 de Setembro de 2011

Miguel Álvares Ribeiro em 15/09/11 | comentar | 2 comentários

 

Com a pequena surpresa de Rúben Amorim, a equipa do Benfica apresentou-se algo cautelosa na sua primeira partida da Liga dos Campeões, contra a forte equipa do Manchester United. Mas também o Manchester United mostrou que respeita o Benfica e entrou com muitos cuidados na sua organização defensiva.

 

Apesar de o Manchester United ter maior posse de bola, era o Benfica que atacava com maior perigo e o golo apareceu aos 24 minutos numa boa jogada de Gaitan, que desmarcou Cardozo com um passe longo. Cardozo dominou bem a bola, fintou o seu opositor enquanto se virava para a baliza e atirou de pronto, com o pé direito, para um golo de belo efeito.

 

O Benfica serenou com este golo e começou a controlar melhor o jogo, não concedendo grandes hipóteses ao adversário, mas numa distracção, perto do final da primeira parte, com Witzel a dar espaço e os centrais a serem um pouco passivos, Ryan Giggs criou uma oportunidade de marcar e não falhou.

 

Na 2ª parte o Manchester United entrou melhor e tomou conta do jogo, empurrando o Benfica para a sua área defensiva, mas sem criar grandes hipóteses de golo. O Benfica foi ganhando confiança e respondeu, criando boas oportunidades de marcar por Gaitan (grande defesa de Lindegaard), Aimar, Nolito e Emerson, mas o resultado não sofreu alteração.

 

Boa exibição global do Benfica, frente a um adversário muito forte, a mostrar que esta equipa ainda nos vai dar muitas alegrias. Rúben Amorim fez um bom jogo, ajudando nas tarefas defensivas mas também criando espaços no ataque, mostrando que tem lugar nesta equipa. Destaque ainda para os restantes atacantes: Gaitan, Cardozo e Aimar (e Nolito que entrou para o lugar de Rúben Amorim). Os sectores mais defensivos, sem comprometer também não tiveram grande brilho; excepções pela positiva para Maxi, Luisão e Javi e pela negativa para Witzel que jogou abaixo do nível a que nos vem habituando.

 

Não sendo uma vitória, o empate frente à principal equipa do nosso grupo mantém vivas todas as possibilidades de apuramento. Força Benfica!




Quinta-feira, 8 de Setembro de 2011

António de Souza-Cardoso em 08/09/11 | comentar | 5 comentários

O tempo, o sol e as férias têm destas coisas.

Planeamos regressar aos "relvados" do novo Benfica mas fomos "morrendo na Praia"....

Agora que o campeonato já acelera que vamos em segundo, ou melhor que estamos quase em primeiro e que passamos à fase de grupos da Liga dos Campeões tudo parece mais "colorido".

Até porque há Witzel, Nolito, Artur e até Emerson que também parece ser um reforço acertado.

Se Gaitan cumprir a exuberancia que promete, Cardozo não morrer parado e Aimar mantiver a jovem frescura do até agora, temos Benfica em todas as frentes. falta digo eu acertar bem na dupla de centrais e não variar demasiado o modelo de jogo.

 

Mas para já tudo vai bem ou tudo vai a 3 pontos de ficar bem.

 

E por isso cá estaremos sempre com a esperança em alta, para animar o Benfica a voltar aos dias de campeão.

Que são os únicos que devia conhecer.

Tentaremos manter a regularidade que as férias nos "roubaram" atrevendo-nos a pedir a todos a mesma participação do passado.

 

Vermelhas saudaçoes!




Terça-feira, 19 de Julho de 2011

António de Souza-Cardoso em 19/07/11 | comentar | 11 comentários

O Benfica realizou o seu primeiro Torneio da epoca. E venceu!

E só isso merece o nosso aplauso e justifica a nossa alegria. Ter ganho a algumas equipas de quilate europeu é, pelo menos, auspicioso.

O brilho, no entanto, não foi radioso e se o Benfica venceu, não chegou a convencer.

A equipa está, como noutras alturas, desiquilibrada.

A equipa está, como noutras alturas, demasiado "esventrada" e renovada.

A equipa está, como noutras alturas, sem rotinas. E as rotinas que se vão construindo vão sendo feitas por jogadores que provavelmente serão dipensados.

 

A equipa está gorda, excessiva e sem orientação e liderança claras.

Ganhamos e isso faz com que tenhamos esperança. Mas vimos bem as fragilidades da primeira parte contra o Pasris de Saint Germaisn e a preclitância do jogo contra o Anderletch.

 

Mas ganhamos e, para mim, que prefiro ser pragmático a romântico, antes foss assim a época toda.

Só que, como em tudo na vida, o que reluz, às vezes... não chega a ser ouro.

 

Esperemos para ver se o Guadiana não nos levará a bom Porto (de mar, cruzes!)....

 




Quarta-feira, 13 de Julho de 2011

António de Souza-Cardoso em 13/07/11 | comentar | 17 comentários

O final das várias competições e o amargo de boca que esta época nos deu, motivaram uma retirada mais prolongada.

Mas o "Novo Benfica" tem uma história e uma memória que não queremos perder.

Tanto mais quanto é dedicado a uma das nossas mais fervorosas paixões que é o Benfica.

 

Não estou especialmente esperançado na época que agora vai começar.

Vejo no Benfica uma "reprise" de um filme a que já temos assistido - excesso de jogadores, desnorte organizacional, mudança radical da equipa e uma pré-época provavelmente feita com quem nem sequer vai fazer a época.

 

Espero estar enganado, mas começa a ficar claro para muitos mais do que eu, que o problema do Benfica é um problema da Organização.

Não posso (até porque sou um Benfiquista do Norte que "leva com eles" todos os dias) resistir a comparar o percurso do Porto - que mantém a estrutura principal da equipa e que apesar de ter mais um treinador estreante, corre o risco de o fazer campeão.

Porque está lá a organização e a cultura que devem ser dedicadas aos campeões.

Não quero falar (ou desculpar-me) de coisa invias que é claro que existem. Mas não explicam tudo.

 

E a verdade é que o nosso Benfica - a maior marca, a maior massa associativa e a maior universalidade desportiva de Portugal e, provavelmente, do Mundo, se vêem atirados para sonhos menores, que não são merecedores de tudo o que fomos e de tudo o que somos.

Temos um problema de organização e de liderança.

E quantos mais anos será preciso para que os benfiquistas o percebam.

 

Tenho um Filho com 14 anos que viu o Benfica ganhar 2 vezes (uma em cada 7 anos, tal como Jacob...). Aos 14 anos (nasci no final de 59) julgo (fica para V. aferição) que só vi o Benfica perder 2 vezes. Esta é a diferença.

 

É por isto que vale a pena lutar: Por um Novo Benfica que tem que ganhar adeptos que acreditem que é possivel mudar e voltar a ser Glorioso e a dar aos Benfiquistas as alegrias que só alguns de nós puderam viver.

 

Viva o Benfica!




Segunda-feira, 23 de Maio de 2011

O "ano zero" de Luís Filipe Vieira

Terminada a época desportiva é tempo de projectar a próxima época do Benfica. Para Luís Filipe Vieira, este é o seu "ano zero", aquele onde vai ter de se confrontar com uma verdadeira prova de fogo, depois de 10 anos de Benfica, 8 dos quais como Presidente.
Para Vieira chegou o momento da verdade. Não que não tenham existido épocas desportivas mais negras no passado, mas os benfiquistas pressentiam que Vieira tinha lançado mãos a uma obra hérculea, a de levantar o Benfica do chão depois dos tratos de polé de Vale e Azevedo.
A obra, cujo principal responsável é Vieira, aí está e deixou de poder ser utilizada como álibi para justificar os resultados desportivos. Acresce que, esta época foi má de mais. Os confrontos com o fc porto redundaram em derrotas humilhantes; a eliminação aos pés do Braga, na meia-final da Liga Europa é algo ainda inimaginável.
Vieira tem de recomeçar tudo de novo, com as eleições de Outubro de 2012 no horizonte. Começou bem, ao garantir Jesus para a próxima época e ao adoptar um discurso de auto-crítica e pacificador. Mas a divulgação dos nomes de Couceiro e, principalmente, Octávio Machado para um cargo que parece ser o de director-geral, não auguram nada de bom.
Vieira tem de se desmarcar rapidamente destes nomes, principalmente do de Octávio, cuja entrada na Luz já foi rejeitada em assembleia geral, no tempo de Artur Jorge. Octávio está ligada à pré-história do futebol português e os seus métodos não têm nada a ver com a cultura do Benfica.
A argúcia de Luís Filipe Vieira vai ser agora posta à prova. A forma como lidar com o "caso" Rui Costa; o nome que escolher para director-geral do futebol; ou a continuação de Coentrão (um jogador à volta do qual se tem de construir uma grande equipa) - vão marcar a época e a liderança de Luís Filipe Vieira.
O Presidente do Benfica já percebeu o erro histórico e estratégico cometido esta época com a insistência numa guerra de palavras com o fc porto. Ainda tem tempo e toda a margem de manobra para dar a volta por cima, mas não pode errar.
De uma forma mais ou menos detectável, as movimentações nos bastidores já vão agitando o universo benfiquista e Outubro de 2012 não vem longe.
 
Post-Scriptum: Com a simpatia que o caracteriza, o Ricardo Maia, assessor de imprensa do Benfica, chamou-me a atenção para o facto das eleições no Benfica ocorrerem em Outubro de 2012 e não Maio 2012 como inicialmente tinha escrito. Enviou-me os novos estatutos e confirmei que tal está estatuído no artª 88º.
Peço desculpa aos meus leitores pelo lapso. Julgo que tal se deveu ao facto de ainda ter presente que a alteração de Outubro para Maio foi uma das questões em cima da mesa durante os trabalhos de revisão dos estatutos.
Julgo, aliás, que fazia todo o sentido regressar ao tema. A antecipação das eleições para o final da época (Maio) seria benéfica para o clube, dado que não iria "agitar" o início da época 2012/2013. Se calhar esta questão ainda vai merecer debate...



Domingo, 15 de Maio de 2011

António de Souza-Cardoso em 15/05/11 | comentar | 7 comentários

O sonho de um Benfica  forte e campeão, de um Benfica de regresso à sua história e à sua grandeza, esfumou-se este ano por uma razão simples - o Clube não consolidou um modelo de gestão e de organização, capaz de criar uma cultura e atitude de exigência, de entrega e de humildade que envolvesse e agregasse todos os agentes, desde o simples roupeiro, ao Presidente da Direcção.

 

Gostava de dizer claramente, sem tibiezas e numa versão desapaixonada e fria que hoje, se a Marca, a Mistica e a Universalidade do Benfica (a sua massa associativa e simpatizante, a sua memória, a sua diáspora e e a sua história) se juntassem à organização e à gestão do F. C. do Porto, tinhamos como resultado um portentado só comparável a um Barcelona ou a um Manchester que, não por acaso, disputarão o titulo de Campeão europeu.

 

O último jogo com o Leiria é apenas um exemplo do desnorte e da desmotivação que atingiu a equipa, com dirigentes e treinadores ressacados de uma festa efémera, esquecendo-se de que havia uma equipa por (re)fazer (tinham saido Ramirez e Di Maria e, mais tarde, David Luiz) em termos fisicos e animicos.

 

Tal não ocorreu e o resultado está à vista.

 

Falar de corrupção ou conspirações é mero fanatismo. Embora me pareça que o Benfica se afastou das esferas de influencia e de

poder (que infelizmente existem e fazem parte do "jogo") e por isso tem sido prejudicado pelas arbitragens a verdade é que, como até Jorge Jesus reconheceu, não foi por isso que não fomos campeões. É que não podemos esquecer que ficamos a 21 pontos do Porto e fomos copiosamente derrotados pelos nossos rivais em tudo quanto foi decisivo.

 

O Benfica tem que voltar a nascer, com a humildade de quem recomeça, mas com a determinação de quem sabe que é maior e melhor.

 

Só precisamos de uma gestão e de uma organização diferentes. Com estes ou com outros protagonistas, mas certamente com outra ambição e outra responsabilidade.

 

 




Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

António de Souza-Cardoso em 06/05/11 | comentar | 12 comentários

Estive ontem em Braga com o meu Filho e velhos Amigos (o Zé Esteves de Aguiar foi um deles).

 

Íamos, como habitualmente, de alma aquecida pela "chama imensa" que sentimos em sonhar com um Benfica europeu.

O jogo era contra o Braga - acessivel diria para o que estava em causa, depois de uma vitória na Luz. Julgo até que apenas nos bastaria marcar.

 

O resultado do jogo e a eliminação do Benfica, deixaram-nos muito tristes.

Mas a condição fisica e animica da equipa e a impotencia de se encontrarem alternativas para virar o resultado deixaram-nos próximos da indignação.

Porque o que estava em jogo era a dignidade do Clube.

Era o regresso a um patamar de que temos estado arredados há tantos anos.

Era a consolidação de um projecto que custou tanto a florescer e que afinal já voltou a murchar.

 

Onde está o tal Benfica Campeão?

Onde estão as promessas que nos fizeram de um Clube ao nivel da sua história e grandeza?

 

Tenho dito, desde que este Blog começou que o Benfica tem um problema de Organização. A gestão desportiva é feita por quem percebe pouco de futebol ou não tem o instinto, a firmeza e a coragem de que se fazem os grandes dirigentes. A comunicação e a gestão animica e motivacional são também determinantes.

Infelizmente o Benfica não tem tido este tipo de dirigentes.

Existe provavelmente boa vontade.

Mas com a maior marca global portuguesa deveríamos saber fazer melhor.

 

De quem é a culpa?

Um já a assumiu - Luis Filipe Vieira que pediu desculpa a todos nós. Evoluiu nos niveis de responsabilidade o que é bom. Agora já não se esconde dizendo que não marca golos nem defende penalties. Mas ao assumir a culpa tem que dizer o que vai fazer a seguir.

Para ganhar o perdão de todos os benfiquistas.

Para ganhar a confiança que precisamos.

 

Não sou como já disse muitas vezes dos que se escondem sempre em teorias das conspiração (que as há), em erros de terceiros (que os há também) e em festejos despropositados por segundos, terceiros ou quartos lugares.

Sou dos que reconhece que a minha geração de Benfiquistas - a dos últimos 30 anos, falhou. E falhou, principalmente, porque deixou de saber escolher bons dirigentes.

 

Fico à espera de perceber se existem mais culpados...

E o que farão para voltar a reunir a Familia Benfiquista à volta da grandeza de um Clube que na geração anterior só sabia ganhar.




Segunda-feira, 2 de Maio de 2011

Pedro Fonseca em 02/05/11 | comentar | 1 comentários

Terceiras vias, movimentações e outras equações

Na passada semana, no rescaldo de dois resultados negros e historicamente inapagáveis, o jornal Record publicou 3 artigos em 3 dias consecutivos, de 3 articulistas permanentes do periódico.
A saga começou na terça-feira 26 de abril, com João Querido Manha (JQM) e o artigo intitulava-se, enigmaticamente, “Terceira Via”. O excerto mais significativo é este: “… o Benfica só terá êxito adoptando uma terceira via, a da afirmação positiva dos valores e da seriedade, sem tiques de superioridade pacóvia, mas também não serão indicadas para tão nobre fim as pessoas que têm sido batidas em toda a linha na opção pela confrontação aberta sob forma de uma intifada ridícula”.
No dia seguinte, João Gobern (JG), focalizando o seu artigo sobre Jorge Jesus, escreve, a dado passo: “… o Benfica sabe que, daqui até final, não dispõe de uma terceira via: ou quebra um jejum de 49 anos sem conquistas europeias ou aceita a sentença de uma época falhada, com tudo o que isso acarreta de sangue, suor e lágrimas para os próximos capítulos”.
Curiosamente, nem um nem outro falam em Luís Filipe Vieira (LFV). Foi o último articulista desta trilogia, Rui Santos (RS), que, no dia do Benfica – SC Braga, 1ª mão da meia-final da Liga Europa, em artigo intitulado “Correio encarnado”, dedicou todo o espaço ao Presidente do Benfica.
Nesta carta aberta, Rui Santos enaltece Vieira pela luta em defesa da verdade desportiva, mas critica-lhe aspectos da gestão desportiva e aspectos da gestão comunicacional. Para terminar dizendo, “… que esta foi a época em que, mesmo não ganhando o que almejava ganhar desportivamente, perdeu a oportunidade de marcar muitos pontos no dirigismo nacional, como alguém capaz de romper com o estilo “caceteiro” que vigora no futebol português. Não está tudo perdido, mas a verdade é que, num momento capital, perdeu-se. E essa foi, talvez, no meio de vitórias, a maior de todas as (suas) derrotas”.
Bom, posto isto, quatro reflexões:
1 – Nada disto são coincidências – começaram as movimentações com vista às próximas eleições no Benfica. É cedo? Ainda falta uma época? Sim, é verdade, mas um conselho a Luís Filipe Vieira: cautela e caldos de galinha…;
2 – RS tem razão. O capital de prestígio e de credibilidade que LFV granjeou não podia ter sido posto em causa por diatribes menores. LFV sabe bem que o que demora anos a construir pode ser destruído em segundos. O prestígio e a credibilidade estão intocáveis, mas não havia necessidade…;
3 – Aconteça o que acontecer esta época e na próxima, LFV vai ter pela frente uma “terceira via”. É uma expressão recuperada à política que significa “alguém que à última hora aparece em condições de fazer estragos”;
4 – Aliás, ao contrário do que aconteceu no passado, foi LFV que, recentemente, nos Açores, abriu a corrida eleitoral ao dar sinais claros de recandidatura, com o argumento de que há ainda projectos, como o Museu, que necessitam da sua presença.
O presidente do povo
É injusto, mas LFV sabe que o discurso da “obra feita” não vai chegar na próxima campanha. É certo que ainda tem o Museu para apresentar, mas, ao contrário das últimas campanhas, o futebol, a gestão e o sucesso desportivo vão marcar a próxima campanha.
E as duas derrotas com o fc porto na Luz – e o que se seguiu - são algo incontornável para o qual LFV tem de encontrar um bom argumentário. LFV parte à frente? Parte bem à frente. Porque semeou o benfiquismo como mais nenhum outro presidente do Benfica e isso é algo que nunca nenhum benfiquista esquecerá. Por isso o apelidei de “Presidente do Povo”. Porque o benfiquista anónimo, o benfiquista das “Casas do Benfica”, o benfiquista que faz todos os sacrifícios para estar presente nas bancadas da Luz, não é ingrato e não tem a memória curta. Sabe que nem tudo correu bem no futebol, sabe que LFV cometeu erros na gestão desportiva, mas lá no fundo sabe bem que o Benfica ainda precisa de LFV por mais anos. E porque, as alterações estatutárias colocam à partida fora da corrida nomes de potenciais candidatos como José Eduardo Moniz e Rui Costa – mas não é líquido que as movimentações que já começaram não passem por estes dois nomes.
Dois pontos fulcrais
1 – O Benfica precisa da vitória como de pão para a boca. Precisam os adeptos; o clube; Jorge Jesus e Luís Filipe Vieira. Uma vitória em Dublin contra o fc porto arruma de vez a questão presidencial. A não ocorrer uma próxima época completamente catastrófica, LFV tem a reeleição garantida, apareça quem aparecer;
2 – LFV precisa de traçar uma estratégia inteligente com vista às eleições para a FPF. Esta eleição é fundamental para a credibilidade e modernidade do futebol português. O Benfica precisa de se empenhar em apoiar e garantir a eleição de um nome acima de qualquer suspeita. Percebe-se o nome de Fernando Seara à luz do afastamento de um eventual candidato nas próximas eleições do clube. Mas não é o candidato ideal nem para o Benfica nem para o futebol português. É preciso alguém mais inovador e arejado, sem os “vícios” e a “experiência” de tantos anos de bastidores. É preciso alguém como Bagão Félix.
Última nota
A negociação dos direitos televisivos vai ser um dos temas mais delicados da vida do Benfica dos próximos tempos. Não só em questão das verbas que o Benfica legitimamente quer receber, como autêntica “galinha dos ovos de ouro” do futebol português, como em função da estratégia que LFV quer montar com vista a influenciar decisivamente a próxima liderança da FPF e as próximas eleições para o Benfica. Pragmático, sagaz e inteligente, LFV sabe que neste delicado “puzzle” há uma peça a ser tratada com pinças: a Olivedesportos.




bloggers
António de Souza-Cardoso (perfil)
Bruno Carvalho (perfil)
Eduardo Sá (perfil)
José Esteves de Aguiar (perfil)
Miguel Álvares Ribeiro (perfil)
Paulo Ferreira (perfil)
Pedro Fonseca (perfil)
Raul Lopes (perfil)
visitantes em linha
posts recentes

Temos Benfica!

Venha o Porto!

As grandes noites europei...

Estamos outra vez de Volt...

Não podemos ficar a "boia...

mais comentados
429 comentários
295 comentários
280 comentários
253 comentários
últ. comentários
Quem é o melhor guarda-redes do Benfica depois de ...
Quem é o melhor guarda-redes do Benfica depois de ...
Quem é o melhor guarda-redes do Benfica depois de ...
MiguelAgradeço a participação, sempre oportuna e c...
Meu Amigo Está engana. fomos nós, sem apoio ou ace...
arquivos

Setembro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds